Rodar com a placa ilegível, quebrada, sem o lacre ou a tarjeta pode render multa e pontos na CNH.

img115114-1485526353-v580x435

A placa é a Certidão de Nascimento da moto. Quando a motocicleta (ou qualquer outro veículo terrestre motorizado) recebe uma placa com letras e números, ela estará ligando o bem ao seu dono – ou representante legal. Por isso, a placa é tão importante e merece muitos cuidados.

Rodar sem a placa de identificação, ou com a placa em más condições, pode causar muita dor de cabeça e prejuízos financeiros. A infração é considerada gravíssima, rende sete pontos no prontuário e multa de R$ 293,47. Além disso, a moto pode ser recolhida, gerando um prejuízo ainda maior. Em São Paulo, por exemplo, o guincho custa R$ 233,75 e o proprietário desembolsará mais R$ 23,58 pela diária do pátio.

Em muitos casos o piloto nem sabe que está fora da lei, pois a placa caiu no caminho e ele nem percebeu. É comum ver algumas motos com a placa pendurada apenas por um parafuso.

As novas placas são maiores tendem a vibrar mais e acabam se partindo na área da fixação do parafuso. Outras vezes é o parafuso que se soltou devido à vibração. Perder a placa pode custar, além da multa, R$ 104,29 pela nova placa e R$ 51,69 pelo lacre, se for o caso. Depois de tudo certo será preciso passar por nova vistoria que, em São Paulo, custa entre R$ 60,00 e R$ 80,00. Para evitar qualquer problema com a placa da sua moto, confira essas dicas simples:

Vibrante
O grande vilão das placas é o parafuso, que se solta facilmente por conta da vibração. E quando a placa fica presa apenas por um parafuso, pode acabar caindo pelo caminho. Em alguns casos, em motos mais “vibrantes”, caso das monocilíndricas de grande capacidade, a placa pode se romper nos dois parafusos. A solução é usar porcas autotravantes e anéis de borracha para amenizar a vibração.

Sem balançar
Ainda é recomendável adaptar um apoio entre o para-lama e a placa, evitando que a placa balance por conta do vento, principalmente em viagens. O formato e a instalação dependerá do modelo de moto e do formato do suporte de placa. A adaptação poderá ser feita com um parafuso longo e arruelas que se apoiam e travam a placa.

img115112-1485526341-v580x435

Dobrou e quebrou
Alguns pilotos usam o truque de dobrar a placa para escapar dos radares de velocidade. O costume, além de poder gerar multa e apreensão do veículo, também contribuirá para a quebra da placa com o tempo.

Suporte de placa
O suporte de placa é um ótimo aliado do motociclista, porém não pode cobrir letras ou números. O ideal é que seja apenas uma pequena moldura para a fixação nas laterais e na parte inferior da placa, sem interferir na visibilidade. Custa em média R$ 25, e pode ser adquirida no próprio Detran, no momento da lacração. 

Sujeira não
Muitas vezes a graxa e a poeira também encobrem a placa e dificultam a leitura. O ideal é ficar atento – principalmente no período de chuvas – e mantê-la sempre limpa. Evite passar pano seco, isso pode “lixar” letras e números, tornado a placa ilegível. Lave a placa com água e sabão. 

img115111-1485526333-v580x435

Retoques
A placa também pode deixar de ser ilegível por conta do desgaste da tinta dos números e letras. Muita gente soluciona o problema pintando-os. Vale lembrar que fazer retoque na placa é ilegal, porém é uma solução paliativa bastante comum. Antes de fazer a vistoria nas motos, há inclusive profissionais que oferecem esse tipo de serviço. 

img115110-1485526325-v580x435

Fotos: Marcelo Horn e André Gomes de Melo/SSPRJ, Detran.SP e Infomoto

Fonte: Moto.com

União Motorcycle – Unindo Através das Duas Rodas