BMW F700GS

A BMW G650GS, um projeto dos anos 1990 atualizado ao longo dos últimos 20 anos, teve seu fim decretado este ano na Europa pela iminente entrada em vigor da norma anti-emissões Euro 4. Para os europeus não haverá novidade na linha, mas os brasileiros que ainda recebem os últimos kits da G650GS importados de Berlim e montados em Manaus (AM) terão uma novidade no último trimestre de 2016: a chegada da F700GS, modelo que compartilha o motor de 2 cilindros e 798cc da F800GS, em versão com 10 cv a menos, usando rodas de liga leve e aro dianteiro menor de 19”.

A big trail que passará a ser o novo modelo de entrada da marca e custa 20% menos que a 800 (o correspondente a R$ 36.900 no Brasil) não é exatamente inédita no país. De 2008 a 2010 ela foi importada como F650GS e permaneceu em linha até a nacionalização da F800GS, quando seu preço deixou de ser competitivo e a marca preferiu focar na monocilíndrica como modelo mais acessível. As principais diferenças daquela moto para a atual são a mudança do nome para posicioná-la de forma mais clara como um produto superior a G650GS e atualizações que sempre acompanharam as mudanças do modelo “irmão” F800GS, especialmente as estéticas.

Na atual F700GS a potência é de 75 cv e o torque de 7,8 kgf.m, contra 48 cv e 6,1 kgf.m da G650GS. O câmbio tem 6 marchas em vez de 5 e ganha sistema de freio duplo na dianteira. É uma moto de altura semelhante tanto pelas medidas de curso das suspensões quanto do banco, consideravelmente mais acessíveis que da alta F800GS (mais voltada a uso misto) na qual os cursos de 170 mm da 700 passam a 230 mm na frente e 215 mm atrás, e a altura do banco aumenta de 790 mm para 895 mm. Outras diferenças que devem ajudar a manter o preço próximo dos R$ 35.900 da G650GS são a ausência de controle de tração e ajuste eletrônico de suspensões (ESA), itens de série na 800.

O segmento deve passar por grandes transformações no Brasil até 2017, com a saída de linha de modelos monocilíndricos como a G650GS e as Yamaha XT 660 R e Z Ténéré. A marca japonesa deve revelar no exterior uma nova Ténéré usando a mesma mecânica de 2 cilindros da MT-07, até o fim deste ano, o que acabaria com os antigos projetos de monocilíndricas ainda existentes, restando apenas opções com pelo menos 2 cilindros e potência na casa de 70 cv.

Fotos: Divulgação

Fonte: Revista Duas Rodas

União Motorcycle – Unindo Através Das Duas Rodas