Conheça as diferenças entre os tipos de gasolina disponíveis no Brasil e os índices de octanagem que podem influenciar o funcionamento do seu motor.

Foto: Divulgação

“Comum ou aditivada?” A pergunta que todos nós já ouvimos muitas vezes vem acompanhada de promessas mirabolantes e informações erradas sobre os benefícios de pagar por uma gasolina supostamente melhor. No Brasil são vendidos três tipos de gasolina, comum, aditivada e Premium, que além de aditivos para limpeza do circuito de combustível são diferenciadas pela octanagem (medida de resistência à detonação). Quanto maior a medida, em geral melhor, porque o combustível comprimido pelo pistão resistirá à pré-detonação na câmara até que a faísca seja emitida pelo sistema de ignição, evitando assim a “batida de pino” e reservando a combustão ao momento correto.

“Com maior octanagem na gasolina é possível que o motor opere com taxa de compressão também elevada sem que ocorra pré-detonação, e assim obtenha melhor rendimento”, explica o gerente de produtos da Petrobras, Antônio Correia. Por isso é especialmente aconselhável que motores com taxas de compressão acima de 11:1 usem gasolina Premium, que possui a partir de 91 octanas, contra 87 de comum e aditivada (método IAD – Índice Anti-detonante). Já nos motores de menor rendimento a diferença é pouco perceptível, portanto o maior custo não vale a pena.

Para você não errar, os manuais de proprietário indicam qual é o tipo de gasolina recomendado e alguns fabricantes até colocam adesivo no tanque alertando para o número mínimo de octanas necessário para obtenção de melhor rendimento. “Os modelos de maior potência é que costumam recomendar o uso de gasolina Premium”, diz o engenheiro da Raízen/Shell Gilberto Pose. Por mais atrativos que sejam os nomes das gasolinas aditivadas, com referências à performance e velocidade, todas são de 87 octanas. Apenas Petrobras Podium e Shell V-Power Racing são gasolinas Premium de alta octanagem, com 95 e 91 octanas respectivamente.

As gasolinas vendidas no Brasil saem de refinarias em estado puro para entrega às distribuidoras de cada marca, onde são misturadas a 27% de etanol anidro nas gasolinas comum e aditivada e 25% nas Premium, além de receberem eventuais aditivos.

Fonte: http://www.revistaduasrodas.com.br/site/

Foto: Divulgação

Editora: Tânia Karla – MC Cobra Leste

União Motorcycle Unindo Através das Duas Rodas